sexta-feira, julho 29, 2005

Histórias de viajantes

A LEITURA REFERIDA no post precedente me deu o alimento espiritual certo para refletir sobre um de meus mais recorrentes temas-fetiche. Sou uma pessoa tomada por eles, quase todos recorrentes como delírios borgianos que, de tempos em tempos, emergem dos recônditos labirintinos da memória e da escrita.

Mas desviamo-nos do tema. Assim como meu grande amigo autor do blog "Crônicas do Explorador deitado na rede" (ver links), tenho paixão pelo topos das grandes viagens e aventuras de exploração. Porém, ao contrário dele, que é fascinado pelas navegações e pela epopéia polar, o que me atrai são as áridas regiões do globo (aqui, assalta-me a memória o célebre haiku de Bashô: "cansado de andar, vago em sonho pelas áridas regiões."), os desertos quentes e frios e todas aqueles lugares onde apenas "ingleses e cachorros loucos saem ao sol do meio-dia" (aliás, creio que é Ondaatje que se refere ao fato de que os ingleses amam o deserto porque ele reflete de forma precisa uma parte do cérebro daquele povo). De qualquer maneira, os relatos e descrições das grandes viagens ao coração do Saara, Gobi, Thar e ao interior australiano exercem peculiar atração sobre mim, o que é motivo freqüente para reler e rever filmes e livros sobre o tema. Tal é, portanto, o assunto deste post: uma reflexão sobre o deserto e o universo dos exploradores no cinema.

Mountains of the Moon [EUA, 1990. Direção de Bob Rafelson]. Embora não trate propriamente de viagens ao deserto, este é um dos melhores filmes já feitos sobre explorações épicas. O tema são as tentativas feitas pelo legendário Capitão Richard Francis Burton (Patrick Bergin) e John Hanning Speke (Iain Glen) de encontrar a nascente do Rio Nilo. O aspecto mais intrigante, porém, é o fato de que, ao contrário do que ocorreria em um dos grandes filmes de John Huston, por exemplo, a natureza indômita não emerge aqui como o principal personagem do filme. Claro que, em qualquer outra situação, isso seria um grande defeito. Mas Rafelson consegue transformar essa idiossincrasia na grande força do filme, deixando o palco principal para a dificuldade das relações humanas. É assim que temos a oportunidade de ver personalidades multidimensionais nos personagens de Burton e Speke, sentindo o travo amargo da amizade de dois grandes homens ser envenenada pela vaidade e pela cupidez manipuladora de pessoas com Oliphant (Richard E. Grant), ao mesmo tempo podemos admirar o caráter extraordinário da grande personagem "secundária" que é a Sra. Isabel Burton, née Arundell (Fiona Shaw), dona da melhor frase do filme: "se eu fosse um homem, seria o Capitão Richard Burton". Mesmo nos mais importantes momentos das expedições africanas, o filme se prende ao relacionamento de Burton e Speke e outros dramas humanos, como a escravização de vencidos por outras tribos negras e a tirania dos régulos locais, desprezando os rigores da paisagem e a determinação sobre-humana de vencer o desconhecido. Como se vê, Bob Rafelson fez uma escolha insólita acerca do ponto de vista narrativo, mas acertou em cheio ao fazer um dos grandes filmes sobre o tema, ainda que o tempo tenha sido injusto com esse filme, tornando-o pouco conhecido do grande público.

The Man Who Would be King [Reino Unido/EUA, 1975. Direção de John Huston]. Costumo me referir a essa obra como "o melhor filme de todos os tempos"! A epopéia colonial particular de Daniel Dravot (Sean Connery) e Peachy Carnehan (Michael Caine), dois vagabundos que se valem do único conhecimento que têm – a experiência como militares do exército britânico – para conquistar alguma região selvagem da Terra e lá se estabelecerem como reis. Aspirando tal nobre intento, partem os dois para a montanhosa terra do Cafiristão, onde uma curiosa mistura de lendas referentes à vinda do herdeiro de Alexandre, o Grande, e vestígios de um passado maçônico conspiram para tornar realidade a ambiciosa meta. Porém, como dizem alhures, é bom ter cuidado com o que se deseja, pois o desejo pode vir a tornar-se realidade. E não tarda para que o plano dos dois aventureiros vitorianos comece a romper nas costuras... Bem, falar mais é tirar parte do prazer que é assistir a esse filme extraordinário, baseado em obra de Rudyard Kipling (interpretado no filme por Christopher Plummer). Novamente, aqui não há desertos, mas a aventura por terrenos inóspitos e o "white man’s burden" da empresa colonial britânica estão lá com força total.

Burke & Wills [Austrália, 1985. Direção de Graeme Clifford]. Uma pequena e pouco conhecida jóia, essa recriação da trágica viagem dos exploradores Robert O’Hara Burke (Jack Thompson) e William J. Wills (Nigel Havers) pelos desertos australianos no início da década de 1860. Em virtude de vários rios australianos correrem para o então desconhecido interior do país, chegou-se a cogitar, na época, a existência de um vasto mar interior – o que facilitaria a expansão dos contingentes humanos, restritos à faixa litorânea do sudeste, por todo o vasto país-continente. Bem, como hoje se sabe, não há qualquer mar interior ou grande lago na Austrália, e o destino de muitos rios é evaporar à medida que se aproximam do tórrido interior arenoso. Eis que a expedição de Burke e Wills, lançada com o intento de percorrer a Austrália de sul a norte, se vê em trágicos problemas, uma vez que os suprimentos se esgotam e a morte é certa para todos os seus integrantes, à exceção do jovem John King (Matthew Fargher), que sobrevive com a ajuda dos aborígenes até ser resgatado por um grupo de buscas e dar ao mundo conhecimento dos últimos dias da malfadada aventura. O filme tem cenas antológicas, como o momento em que um dos exploradores tenta lançar apontamentos em seu diário e verifica que a mina de seu lápis derrete no abrasador calor do deserto, ou o profético passeio pelo labirinto-jardim na verdejante Albion.

The English Patient [EUA, 1996. Direção de Anthony Minghella, baseado no romance de Michael Ondaatje]. Esse dá pretexto para falar do filme e do livro. A obra do "cingalês-canadense" Michael Ondaatje é um primor de literatura, com palavras cortantes e ásperas como seixos, parcimoniosa, deixando muito espaço para a imaginação do leitor explorar os fragmentos de história, sonho, memória e delírios induzidos por morfina que emergem da paisagem árida como os platôs rochosos do deserto líbio. Sem dúvida, um dos melhores romances de língua inglesa dos últimos quinze anos. O filme de Minghella captura muito bem a essência da história e seus melhores momentos (para melhor efeito dramático, algumas cenas e falas são atribuídos a personagens diferentes daqueles que as proferem no livro). É muito interessante, porém, saber do contraste entre o personagem-título, o conde húngaro Ladislau Almásy e a figura histórica de mesmo nome. O Almásy de Ondaatje-Minghella, interpretado por Ralph Fiennes, é um explorador taciturno, tomado pela súbita obsessão por Katharine Clifton (Kristin Scott Thomas), aristocrática esposa de um colega explorador, Geoffrey Clifton (Colin Firth), cujo trágico desfecho faz de Almásy um colaborador do Afrika Korps nazista e, finalmente, a figura mutilada espiritual e fisicamente que expira seus últimos momentos num mosteiro em ruínas na Itália, sob os cuidados da enfermeira Hana (Juliette Binoche). O Almásy histórico, notório homossexual, aproximou-se dos exércitos italiano e alemão na África do Norte como forma de continuar suas pesquisas no deserto e a obsessiva busca pelo oásis perdido de Zerzura. Ao contrário de sua encarnação ficcional, Almásy não morreu devido a queimaduras desfigurantes nos últimos dias de 1944, mas viveu até 1951, tendo brevemente ocupado o cargo de diretor do Egyptian Desert Institute, posição que almejava desde a década de 1930. Permito-me, porém, em atenção ao tema deste post, não divagar sobre a imensa riqueza de detalhes dessa obra, tais como os detalhes da vida e do arriscado trabalho levado à cabo pelos sapadores na Itália de 1944, infestada de bombas não explodidas e armadilhas preparadas pelo exército nazista em retirada, ou o debate final sobre o racismo ocidental implícito na decisão de lançar as bombas atômicas contra os japoneses, povo "não-branco". Ficam aqui as recomendações mais veementes para a leitura desse livro excepcional e a apreciação do filme, igualmente notável.

Mais sobre este tema em breve...

3 comentários:

Ana disse...

Oi, Emerson! Quintana realmente é muito bom, não? Só não é melhor que meu guru, meu personal Obi Wan Kenobi, Vinícius de Moraes :)Eu também adoro The Man Who Would Be King, o Sean Connery está bárbaro, o roteiro é fantástico, bela escolha! Já nas histórias de exploradores do Felipe, o que me atrai é a força, o triunfo da vontade, como diria a Leni Riefenstahl (infamous reference...), o exemplo de superação. Beijo pra você e pras suas meninas.

lewisbrinick4203 disse...

St0ck For Your Review - FCPG

Current Profile
Faceprint Global Solutions (FCPG)
Current Price $0.15

A U.S. based-company dedicated to the goal of
bringing effective security solutions to the marketplace.

With violent and white-collar terrorism on the rise,
companies are starving for innovative security solutions.


FCPG is set to bring hot new security solutions to
the industry, with currently over 40 governmental and
non-governmental contracts, being negotiated.


Please Review Exactly What this Company Does.

Why consider Faceprint Global Solutions (FCPG)?

Faceprint Global Solutions (FCPG) holds the exclusive
marketing rights from Keyvelop, to sell the world�s
leading encryption technology to be distributed directly
to the Healthcare industry in North America.

Faceprint Global Solutions has completed its biometric
software that recognizes facial features of individuals
entering and leaving through airports, ship yards, banks,
large buildings, etc.

FCPG acquired Montreal-based Apometrix Technologies,
which enhances the companies mission of being a
full-service provider to the multi-application smart
card industry. The North American market appears ready
for significant expansion of price-competitive, proven,
multi-application solutions on smart cards. Apometrix's
forecast of over 300 customers and sales of more than $50
million in North America over the next five years, appears
very realistic, according to company management.


Faceprint Global Solutions is currently in contract negotiations
with over 40 governmental agencies and businesses seeking to use
their encryption, biometric, and smart-card technologies.

Breaking News for Faceprint Global Solutions (FCPG)

Faceprint Global Solutions (FCPG) is pleased to announce that
IBM will now offer the world�s leading encryption software to
its major Healthcare clients in North America.


With FCPG owning the exclusive North American rights to distribute
the worlds leading encryption and transmission software developed by
Keyvelop, FCPG is poised to capture large volumes of sales generated
by customers currently using IBM�s software in the healthcare and other
industries.


�This is a very positive move for FCPG and for Keyvelop,� said FCPG
CEO Pierre Cote. �We are very happy about the decision to go with IBM.
This is a continuation of the progress made by everyone associated
with FCPG and its partners.�

Buell Duncan, IBM's general manager of ISV & Developer Relations commented,
�Collaborating with Keyvelop will ensure that we develop open solutions that
are easy to maintain and cost effective for our customers in the healthcare
and life sciences industry.�

Among other things, this new software technology which is currently
being used by a number of European healthcare companies, is used to
send any file, regardless of format or size. Encryption keys, evidence
of transmission integrity with fingerprint calculation, time-stamping
of all actions and status record updating, pre-checking sender and
receiver identities, validating file opening dates are part of Keyvelop features.

About FacePrint Global Solutions, Inc.

FCPG operates a business, which develops and delivers a variety of
technology solutions, including biometric software applications on
smart cards and other support mediums (apometric solutions). FCPG�s
products provide biometric solutions for identity authentication and a
host of smart card- and biometrics-related hardware peripherals and
software applications. Apometrix, FCPG�s wholly-owned subsidiary,
combines on-card or in-chip multi-application management solutions
with best-of-breed �in-card matching� biometrics. Keyvelop�s secure
digital envelope solution and Apometrix�s on-card biometrics work
together to produce the winning combination in the fields of security,
traceability and identity management.

Conclusion:

The examples above show the Awesome, Earning Potential of little known
Companies That Explode onto Investor�s Radar Screens. This sto,ck will
not be a Secret for long. Then You May Feel the Desire to Act Right Now!
And Please Watch This One Trade!

GO FCPG!

Disclaimer:
Information within this email contains "forward |ooking statements" within
the meaning of Section 27Aof the Securities Act of 1933 and Section 21B of
the Securities Exchange Act of 1934. Any statements that express or involve
discussions with respect to predictions, expectations, beliefs, plans,
projections, objectives, goals, assumptions or future events or performance
are not statements of historical fact and may be "forward |ooking statements".
"Forward |ooking statements" are based on expectations, estimates and projections
at the time the statements are made that involve a number of risks and uncertainties
which could cause actual results or events to differ materially from those presently
anticipated. We were paid a sum of three thousand USD to disseminate this information
from ir marketing. Forward loking statements in this action may be identified through
the use of words such as "projects", "foresee", "expects", "will", "anticipates",
"estimates", "believes", "understands" or that by statements indicating
certain actions "may", "could", or "might" occur. Risk factors include
general economic and business conditions, the ability to acquire and develop
specific projects, the ability to fund operations and changes in consumer and
business consumption habits and other factors over which the company has little
or no control. The publisher of this newsletter does not represent that the
information contained herein are true and correct.

Anônimo disse...

Ola tudo bem vc sabe onde eu encontro o filme Burke & Wills estou caçando mais não acho..uma vez passou na globo mas não sei se e com esse titulo abraços obrigado